Granito Bruto Pedra Pra Colecionador ou Estudante de Minerais Geologia Cod 88.2 - Loja Cristaisdecurvelo

Não vá Embora!
Separamos essas Ofertas Exclusivas para você!

Fale Conosco:
(38) 3722-1029
(38)9-9205-6463

Granito Bruto Pedra Pra Colecionador ou Estudante de Minerais Geologia Cod 88.2

(Cód.241189)
| Deixar comentário
R$5,00
Ou em 1x de R$5,00
sem juros no cartão de crédito
R$4,75 a vista
no depósito com 5% de desconto
Embalagem para presente: Opções disponíveis no carrinho.
Compra máxima: 1 unidade(s)

Granito Pedra Natural  Bom tamanho peça ideal para coleção ou estudantes de minerais também utilizado no esoterismo Rocha da forma que saiu do garimpo, mineral natural


NOME DA(S) PEDRA(S): Granito

COR DA(S) PEDRA(S): Bege Pigmentado

CORTE DA(S) PEDRA(S): Bruto Natural

CLARIDADE DA
(S)  PEDRA(S): Denso semi Cristalização

MEDIDA D
A(S) PEDRA(S): 6,7 x 4,5 (CentimetrosExatos ).

 PESO TOTAL DA PEDRA: Exatos 88 Gramas

ORIGEM: America do Sul - Brasil (ES) Comprar outro CLIK AQUI

Por ser pedra natural  podem apresentar variações em suas tonalidades e grafismos. Há também a possibilidade de ocorrerem pequenas inclusões que irão se assemelhar a fissuras, mas que são normais de minerais autentico de garimpo.  Hidratação oleo mineral.

atencao.gif

Para comprar outra Marmore Clik Aqui    

Comprar Pingentes clik aqui     

Comprar Atacado clik aqui    


Granito

O basalto é uma rocha ígnea eruptiva, de granulação fina, afanítica, isto é, os cristais não são vistos à vista desarmada, podendo, ainda, conter grandes quantidades ou ser constituído integralmente de vidro (material amorfo). Esta rocha é constituída principalmente de plagioclásio e piroxênio e, em muitos casos, de olivina. Como minerais acessórios encontram-se, principalmente, óxidos de ferro e titânio. A rocha basáltica geralmente possui cor escura acentuada (rocha máfica), sendo muito explorada para a construção civil.

O basalto é produzido principalmente nas erupções que ocorrem:
nas dorsais meso-oceânicas, que são o foco da expansão do assoalho oceânico e dão origem à chamada tectônica de placas, assim, a maior parte do embasamento oceânico é constituído de basaltos;
em enormes derrames que formaram grandes platôs continentais, como, por exemplo, na Bacia do Paraná, no sul do Brasil, no norte da Sibéria, no planalto de Decan, na Índia; e
em menor volume, embora mais evidentes, em erupções vulcânicas como em algumas das ilhas do arquipélago do Havaí. Também podemos encontrar o Basalto em todas as ilhas do Arquipélago dos Açores em Portugal, destacamos a segunda* maior delas, denominada Montanha do Pico, ou ainda chamada de Serra do Pico, ou como muitos a conhecem como Ponta do Pico. Sua altura é de aproximadamente 2,351m acima do nível do mar, sendo o ponto mais alto de toda aquela região. Em uma outra medição na região submersa, observou-se sua altura próxima de 5.000m, no que pode-se observar a maior parte submersa.
A cidade de Nova Prata é a capital nacional do basalto no Brasil.
O basalto é uma rocha extremamente frequente (muito mais frequente que o gabro, que é o seu equivalente plutónico/intrusivo). Isto verifica-se pois ambos são rochas derivadas de magmas básicos, ou seja, magmas fluidos que tendem a emergir, pois são menos densos que as rochas da crusta. Com isto, muito mais provavelmente o magma atinge a superfície, arrefecendo rapidamente e originando basalto, do que a sua ascensão ser impedida (pela ausência de fendas nas rochas que se sobrepõem, p.e.), levando a um arrefecimento mais gradual e à posterior formação do gabro.

O granito (do latim granum) é um tipo comum de rocha ígnea de grão fino, médio ou grosseiro, composta essencialmente por quartzo, mica e feldspato, tendo como minerais acessórios mica (presente praticamente sempre), hornblenda, zircão e outros minerais. É normalmente encontrado nas placas continentais da crosta terrestre.

O granito é quase sempre sólido (sem estrutura internas), duro e resistente, sendo por essas qualidades usado como pedra para a construção civil. A densidade média do granito situa-se entre 2,651 e 2,75 g/cm32 A sua temperatura de fusão é de 1215 - 1260 °C.3

Cortes variados de granito

A palavra "granito" tem origem no latim granum, um grão, em referência à textura da rocha.

A composição mineralógica dos granitos é definida por associações muito variadas de quartzo, feldspato, micas (biotite e/ou moscovite), anfíbolas (sobretudo horneblenda), piroxenas (augite e hiperstena) e olivina. Alguns desses constituintes podem estar ausentes em determinadas associações mineralógicas, anotando-se diversos outros minerais acessórios em proporções bem mais reduzidas. Quartzo, feldspatos, micas e anfíbolas são os minerais dominantes nas rochas graníticas e afins.

Macroscopicamente o quartzo é reconhecido como mineral incolor, geralmente translúcido, muito comum nos granitos.

Os feldspatos (microclina, ortóclase e plagióclases), são os principais condicionantes do padrão cromático das rochas silicáticas, conferindo as colorações avermelhada, rosada e creme-acinzentada a estas rochas.

A cor negra variavelmente impregnada na matriz das rochas silicatadas, é conferida pelos minerais máficos (silicatos ferro-magnesianos) sobretudo anfíbolas (hornblenda) e micas (biotite), chamados vulgarmente de "carvão".

Nos granitos mais leucocráticos (claros), portanto com menor quantidade de minerais ferro-magnesianos, o quartzo e o feldspato compõem normalmente entre 85% e 95% da rocha.

A textura das rochas silicatadas é determinada pela granulometria e hábito dos cristais, sendo a estrutura definida pela distribuição desses cristais. Composição, textura e estrutura representam assim parâmetros de grande importância para caracterização de granitos.

O granito é utilizado como rocha ornamental e na construção civil. Para o sector de pedras ornamentais e de revestimento, o termo granito designa um amplo conjunto de rochas silicatadas, abrangendo monzonitos, granodioritos, charnockitos, sienitos, dioritos, doleritos, basaltos e os próprios granitos.

Em Portugal a paisagem granítica revela-se principalmente em extensos planaltos, em serras, nas Beiras e em várias regiões montanhosas. Há ainda a considerar um maciço de dimensões mais reduzidas, na serra de Sintra, com cerca de 10 por 5 quilómetros.